Quem acompanhou a postagem anterior deve estar lembrado de que deixamos os bifes empanados descansando na geladeira enquanto discutíamos a razão pela qual os ovos são vendidos às dúzias. Agora que os bifes descansaram ― e como descansaram! ―, já podemos fritá-los e servi-los ― acompanhados de arroz, fritas, purê, farofa, macarrão ou outra guarnição à nossa escolha ― ou promovê-los a bifes à parmegiana.

Observação: Na hora de empanar alimentos, experimente substituir os ovos por maionese e adicionar queijo ralado ou bacon frito e triturado à farinha de rosca.

Frite os bifes numa frigideira (de borda alta) em óleo suficiente para cobri-los. Não frite todos juntos para não os amontoar nem esfriar a gordura; coloque uns dois por vez, até porque isso economiza óleo.

Para evitar que a gordura queime, ponha uns dois dentes de alho (com pele) dentro da panela (ou uma rodela grossa de cebola), e para dar um sabor todo especial à fritura, adicione ao óleo uma colherada de manteiga. Para saber se a gordura já está quente o bastante, jogue o palito de fósforo dentro da panela e espere ele acender.

Frite cada bife de um lado, vire-o ― com a ajuda de uma pinça ou espátula ― e frite do outro lado. Retire os bifes com uma escumadeira, deixe escorrer o excesso de óleo e coloque-os numa travessa forrada com toalhas de papel.

Se a ideia for servir os bifes à parmegiana, espalhe uma camada de molho de tomate numa travessa refratária e acomode os bifes lá (sem as toalhas de papel, naturalmente), evitando que eles se sobreponham. Cubra-os, então, com outra camada de molho, folhas de presunto (opcionais, mas recomendáveis), uma camada generosa de mozarela (em fatias ou ralada), o restante do molho e, por fim, queijo parmesão ralado. Leve ao forno (pré-aquecido) para gratinar. Quando a mozarela estiver derretida e o molho, borbulhando, retire, polvilhe mais parmesão ralado e sirva em seguida.