Há pouco mais de dois anos, eu publiquei uma sequência de 4 postagens sobre como preparar hambúrgueres artesanais, com dicas que contemplam escolha da carne, proporção de gordura, o ponto da fritura, e por aí afora, até a finalização do sanduíche. Clicando neste link, você tem acesso à primeira delas; para ler as demais, clique aqui, aqui e aqui (aproveite essa colher de chá ― se me permite o trocadilho ―, porque encontrar publicações antigas no caderno da comunidade não é um processo dos mais amigáveis (eu só conseguir resgatar os quatro capítulos com a providencial ajuda do serviço de buscas do Google).

Passando ao post do dia, veja como preparar em casa hambúrgueres de dar inveja às melhores lanchonetes. Antes, porém, uma dica importante: se você não quer ter trabalho, mas faz questão de comer em casa um hambúrguer que se preze, fuja daquelas caixinhas de 12 unidades da Sadia, Seara, Texas, etc. e compre o hambúrguer de picanha (ou de filé mignon) do Wessel. O preço é salgado, mas a qualidade e o sabor valem cada centavo. Caso queira enfrentar a labuta, você vai precisar de:

― ½ quilo de fraldinha e o mesmo tanto de picanha (com a gordura);

― 20 tirinhas de bacon;

― 10 fatias de queijo prato ou cheddar;

― 5 rodelas de tomate e outras cinco (grossas) de cebola;

― Folhas de alface romana (uma ou duas para cada sanduíche, dependendo do tamanho da folha);

― 5 pães para hambúrguer;

― Sal e pimenta-do-reino a gosto.

Corte a fraldinha e a picanha em cubos médios e passe no moedor de carne, intercalando os dois cortes para que a mistura tenha início já nesse processo (se preferir, peça a seu açougueiro que se encarregue dessa etapa). Coloque a carne já moída numa tigela e, usando as mãos (limpas, naturalmente), misture tudo muito bem misturado e faça bolinhos de aproximadamente 200g cada um. Feito isso, molde os no formato de disco, mas sem amassar demais a carne. Note que grandes supermercados e lojas do tipo R$ 1,99 costumam vender um utensílio específico para essa moldagem; os modelos plásticos são baratos, mas só vale a pena comprar o badulaque se você realmente for substituir os hambúrgueres industrializados pela versão caseira.

Na hora de preparar os hambúrgueres, tempere os discos de ambos os lados com o sal e a pimenta. Na churrasqueira, com o braseiro no ponto, ou na frigideira, bem aquecida (coloque-a no queimador grande do seu fogão e deixe o fogo alto aquecê-la até que ela comece a soltar fumaça), grelhe primeiro as fatias de bacon e, na própria gordura do bacon, doure as rodelas de cebola. Retire e reserve num prato ou travessa forrado com toalhas de papel (para absorver o excesso de gordura do bacon).

Em seguida, coloque os hambúrgueres nessa mesma frigideira (sem lavá-la previamente) e deixe-os dourar ― confira o tempo necessário para a carne ficar malpassada, ao ponto ou bem passada na sequência de postagens cuja leitura eu sugeri no início deste texto. Vire os discos na metade do tempo, de modo que ambos os lados dourem por igual (e assim que virar cada bife, cubra-o com duas fatias de queijo, acrescente a uma rodela cebola e quatro tirinhas de bacon).

Observação: Talvez seja preciso fritar os discos individualmente ou aos pares, dependendo do tamanho da frigideira, pois é muito importante que eles não fiquem “encavalados”.

Quando os hambúrgueres estiverem quase no ponto, abra os pães e aqueça-os levemente. Antes de montar os lanches, passe uma colherada de maionese e adicione um fio de mostarda e outro de ketchup no centro de cada uma das fatias de cada pão (convém não exagerar, ou esse molho vai acabar escorrendo quando você morder o sanduíche). Coloque então os discos cobertos com o queijo derretido, a cebola e o bacon fritos, finalize com as rodelas de tomate e as folhas de alface, feche o lanche com a outra fatia de pão e sirva com batatas fritas (ou, se não quiser ter mais trabalho, com batatas chips).