O final do mês se avizinha, e com ele vão-se as festas juninas e o primeiro semestre de 2017. O dia de Santo Antonio (13) já passou; restam, portanto São João e São Pedro (dias 24 e 29, respectivamente).

Até o ano de 1967, o dia de São Pedro era feriado escolar. Afinal, ele encerrava as festas juninas, já com pouco foguetório, mas com o bônus do dia de folga. No entanto, o Mal. Humberto de Alencar Castello Branco ― o primeiro dos muitos presidentes militares do período da ditadura ― resolveu cassar expurgar o feriado de São Pedro do calendário. CB morreu pouco depois, num acidente aéreo em Fortaleza, e muita gente viu nesse episódio o dedo vingativo do santo (até porque Lula ainda não havia ingressado na política, mas isso já é outra história).

Enfim, ainda restam duas semanas de junho, e a despeito de o frio tenha dado uma trégua (em relação à semana passada, quando tivermos 7ºC de mínima aqui em Sampa), as noites e madrugadas continuam roupas e comida quentes. E nada como um quentão para esquentar as tripas. Ah, você não curte festa junina? Não tem problema. Faça seu quentão em casa mesmo.

Observação: Antes de passarmos à receita propriamente dita, vale lembrar que essa bebida foi criada para tornar mais “palatáveis” alguns vinhos de qualidade duvidosa, mas, sabem lá os santos por qual razão, acabou-se substituindo o vinho pela cachaça, e o segredo de um quentão bem feito está justamente na escolha da aguardente, que deve ser de boa qualidade e ter aroma pronunciado de rapadura e cana-de-açúcar, e não de álcool combustível. Igualmente importante é você misturar frutas cítricas ― como limão e laranja ― com especiarias ― como cravo, canela, bagas de baunilha, etc. ― na proporção correta, de modo que um ingrediente não se sobreponha ao outro.

Anote aí o que você precisa providenciar:

― 1 litro de cachaça (de marca boa, pelo amor do santo);

― 300g de açúcar refinado;

― 100g de gengibre;

― 350ml de água;

― 4 cravos da índia;

― 3 pedaços de canela em pau;

― 2 limões tahiti (se preferir e conseguir encontrar, o limão-cravo, ou caipira, dá um aroma todo especial à beberagem);

― 1 laranja-bahia.

Lave bem os limões e a laranja, corte tudo em rodelas (com casca), coloque numa panela (ou caldeirão), junte os demais ingredientes ― com exceção da cachaça ― e leve ao fogo alto. Quando levantar fervura, gire o queimador do fogão para a temperatura mínima, acrescente a aguardente e mantenha a panela no fogo apenas para preservar o calor (não deixe ferver para seu quentão vai virar chá).

Amanhã a gente volta com outra dica junina, pessoal. Até lá.