A conhecida maionese vai bem com quase tudo, da salada de folhas à de batatas, do sanduíche ao salpicão de frios. Mas pouca gente sabe que a maionese é mais popular do que o onipresente ketchup, ou que ela foi criada no século XVIII pelo cozinheiro do Duque de Richelieu, que, sem nata para preparar o molho do banquete comemorativo à conquista da Ilha de Minorca, resolveu improvisar com azeite, ovos e sal. Como isso aconteceu na cidade de Mahon, a receita ganhou o nome de mahonaise.

Todo mundo conhece a Maionese Hellmann’s, mas poucos sabem que Hellmann era o sobrenome de um alemão radicado em New York que aproveitou a receita da esposa para vender maionese pronta em potinhos de madeira. Mais adiante, sua marca se popularizaria mundo afora e passaria a ser comercializada em potinhos de vidro, que, mais recentemente, ganhariam tampas plásticas.

Tudo isso é muito interessante, mas enche a barriga. Importante mesmo, para os efeitos desta postagem, é a dica de preparo da maionese verde ― cor que resulta na salsinha incorporada aos ingredientes tradicionais da receita. Você vai precisar de:

― ½ litro de óleo de canola;

― 1 colher (sopa) de mostarda amarela de boa qualidade;

― 1 colher (chá) de sal;

― 3 ovos;

― 1 dente de alho;

― Salsinha e pimenta-do-reino a gosto;

― Suco de 1 limão tahiti (opcional).

No liquidificador, coloque os ovos, a mostarda, o sal e a pimenta-do-reino. Bata com velocidade média é vá adicionando o óleo em fio, aos poucos, até começar a formar um creme consistente. Regule o liquidificar para a velocidade máxima, junte a salsinha e continue adicionando óleo até obter a consistência desejada. Transfira para um pote com tampa e conserva na geladeira até o momento de utilizar.