Antes de concluir o assunto que eu iniciei na postagem anterior, sobre frituras, resolvi publicar uma receita simples de preparar, mas que vai muito bem com esse friozinho que anda fazendo (pelo menos aqui em Sampa). Ademais, não custa lembrar que dia 29 é dia da simpatia do nhoque (que dispensa explicações, já que foi abordada, aqui na comunidade, em pelo menos meia dúzia de postagens, embora em cada uma delas eu tenha feito um enfoque diferente). Mas vamos ao que interessa.

Peixinho é o nome que se dá a um corte de segunda (extraído do dianteiro do boi) que resulta numa carne mais rija que o acém, com fibras curtas e magras. Além de render bons assados, ele pode ser usado moído ou picado em refogados, molhos e ensopados, ou mesmo em escalopes (que ficam uma delícia ao molho madeira, por exemplo). Dependendo da região, o peixinho pode ser conhecido por coiólagartinho-da-pálagarto do braçolombinho ou tatuzinho da paleta. Já o ragu é um molho à base de carne cozida, largamente utilizado no acompanhamento de massas na culinária italiana.

Esclarecidos esses “mistérios”, vamos à sugestão de hoje, que nhoque com ragu de peixinho (claro que você pode variar utilizando outras massas, como o penne, o farfalle, o fettuccine e até massas recheadas, como o ravióli e o capeleti.

Para fazer o nhoque em casa, reveja a receita que eu publiquei nesta postagem. Se não quiser ter trabalho, basta ir até o supermercado ou casa de carnes de sua preferência, onde você irá encontrar diversas opções ― inclusive caseira ―, em porções de 400g, ½ kg, 600g ou 1kg. Para 4 bons garfos ou seis comensais mais comedidos, os ingredientes são os seguintes:

― 1kg de nhoque;

― 1 peça de peixinho (cerca de 700g) ;

― 2 colheres (sopa) de azeite extravirgem;

― 100g de bacon picado em cubinhos;

― 200g de linguiça calabresa fresca picada;

― 350ml de molho de tomate;

― Sal, pimenta, manjericão, alecrim e tomilho a gosto;

Pique a carne em cubinhos bem pequenos. Ferva uma panela d’água, adicione uma colher (chá) de sal e um fio de azeite e afervente os nhoques (leia as instruções no pacote, pois as opções industrializadas costumam vir pré-cozidas e, portanto, dispensam essa etapa). Usando uma escumadeira, retire as bolinhas de massa (no caso de massa caseira ou fresca) à medida que elas subirem para a superfície, coloque numa travessa refratária e reserve. Aqueça o azeite numa frigideira de parede alta, doure o bacon e a cebola, junte a linguiça e a carne, tempere com o sal e a pimenta-do-reino (moída na hora) e refogue durante alguns minutos. Quando dourar, acrescente o molho de tomate e as ervas e deixe cozinhar por mais 5 minutos ou até o molho apurar. Acerte o ponto do sal. Finalmente, cubra os nhoques com o molho, polvilhe com parmesão ralado grosso, leve ao forno pré-aquecido por alguns minutos (só o tempo de gratinar) e sirva em seguida, acompanhado de um bom vinho tinto.