Depois do brigadeiro ― assunto da última postagem ―, veremos algumas curiosidades sobre o “Bauru” e o Filé à Oswaldo Aranha. Começando pelo sanduíche ― que, para muita gente, não passa de um misto-quente acrescido de uma rodela de tomate ―, saiba a versão original não leva presunto, mas rosbife e uma mistura de queijos de deixar a prosaica mozarela vermelha de vergonha. Mas vamos por partes.

O Bauru foi criado há mais de 70 anos no restaurante paulistano Ponto Chic. Reza a história que o estudante de direito Casimiro Pinto Neto, conhecido pelo apelido de “Bauru” ― em alusão a sua cidade natal ―, estava atrasado para uma partida de sinuca e pediu a um funcionário do então “Bar Ponto Chic” que abrisse um pão francês ao meio, tirasse o miolo e preenchesse a “canoa” com queijo derretido. Quando o rapaz já se preparava para fechar o lanche, Casimiro pediu-lhe que acrescentasse fatias de rosbife e, em seguida, rodelas de tomate. Antonio Boccini Júnior, amigo do estudante, provou um pedaço do lanche, gostou e gritou para o garçom: me vê um desses do Bauru!

Casimiro morreu em 1983, mas sua criação se imortalizou e virou o carro-chefe do Ponto Chic, que se tornou ponto de encontro de jornalistas, políticos, esportistas e outros formadoras de opinião que ajudaram a escrever a história da cidade de São Paulo.

Além de pão sem miolo, rosbife, 4 tipos de queijo derretidos e rodelas de tomate, o verdadeiro Bauru leva orégano, picles e sal. Eu provei essa delícia pela primeira vez na Leiteria Lírico, que também fazia croquetes de carne insuperáveis, e embora já tenha publicado a receita há alguns anos, nunca é demais repetir a dose. Então, anote aí os ingredientes e ajuste a quantidade ao número de lanches que tenciona preparar, mas, acredite, é difícil comer um só:

― 1 peça de lagarto bem limpinha, livre, inclusive, da pele;

Pães franceses fresquinhos;

― 150 g de rosbife fatiado bem fininho (para cada sanduíche);

― Queijo prato, gouda, suíço e estepe (cerca de 50 g de cada para cada sanduíche);

Agua quente e manteiga para derreter os queijos (a quantidade varia conforme o número de sanduíches, naturalmente);

― 2 rodelas de tomate e 2 fatias de picles (por lanche);

Sal, pimenta-do-reino e orégano a gosto.

1) Doure a carne (inteira) numa chapa de ferro quente, virando-a por todos os lados até que fique tostada por fora e rosada por dentro. Não é necessário temperar. Ao final, deixe o rosbife esfriar e corte em fatias bem finas (se não dispuser de um fatiador de frios, use ao menos uma faca elétrica).

2) Aqueça a água numa panela, adicione a manteiga e aguarde até que se forme uma camada de gordura por cima. Baixe o fogo, junte os queijos e mexa até obter uma massa uniforme.

3) Corte os pãezinhos ao meio ― no sentido do comprimento ― retire o miolo (de uma ou de ambas as “canoas”, a seu critério), disponha as fatias de rosbife sobre a metade inferior (tantas quantas bastem para formar os 150 g exigidos pela receita), tempere com o sal e a pimenta, cubra com duas rodelas de tomate e duas de pepino (que deve ter ficado mergulhado em vinagre por pelo menos 4 dias), acrescente a mistura de queijos, polvilhe o orégano, feche o sanduíche, corte ao meio (no sentido diagonal) e sirva em seguida.

Essa é a receita tradicional. Veja a seguir a minha humilde adaptação:

1) Bata bem o lagarto (para amaciar) e amarre-o com um barbante, de modo que a peça mantenha a forma arredondada e fique bem firme (uma peça de aproximadamente 1,5 kg é suficiente para 10 lanches reforçados).

2) Prepare uma marinada com ½ chávena de mostarda amarela, 4 dentes de alho esmagados, 1 cebola média ralada, 1 colher (sopa) de ketchup, duas de molho inglês, 1 colher (sobremesa) de molho de pimenta tipo Tabasco, sal e pimenta-do-reino a gosto.

3) Unte a carne com esse molho, coloque-a num tupperware (ou saco de marinada), despeje sobre ela o restante do molho e deixe descansar na geladeira por pelo menos 12 horas ― vire a peça de tempos em tempos, para que os sejam absorvidos por igual.

4) Doure a carne em óleo fervente (até que fique bem corada por todos os lados, sempre pingando pequenas porções de água quente na panela), transfira-a para uma travessa refratária, leve ao forno pré-aquecido em temperatura média e deixe assar por 1 hora (borrifando molho de mostarda diluído em ½ chávena de água a cada 10 minutos).

5) Deixe o rosbife esfriar, transfira de volta para panela, regue com o restante do molho e proceda como na primeira parte da receita ― ou seja, corte a carne em fatias finas, derreta os queijos na água quente com manteiga (eu misturo também uma colher de vinagre ou de vinho branco), monte os lanches com os demais complementos e sirva quente.