Não faz muito tempo, o litro do leite chegou a ser vendido por R$ 5 (isso nos supermercados, porque nas padarias a coisa era ainda pior). Consequentemente, os derivados do leite, como manteiga, iogurte, requeijão e queijos em geral, subiram feito rojão. Curiosamente, mesmo depois que a “matéria prima” voltou a custar por volta de R$ 3 o litro, o requeijão continua custando os olhos da cara.

Claro que sempre se encontra uma ou outra marca em oferta ― geralmente quando a validade do produto está próxima de vencer ―, mas sempre existe o risco de você levar um requeijão de marca desconhecida, daqueles sem sabor, ou que escorrem da espátula quando você tenta passá-lo no pão (na minha opinião, os melhores em sabor e consistência são os requeijões Catupiry e o Aviação, o que, infelizmente, contribui para que eles sejam os mais caros da prateleira).

Em tempo de vacas magras, convém conhecer esta receita de requeijão cremoso caseiro ― sem amido, embora não haja problema algum em acrescentar duas colheres (sopa) de Maisena aos ingredientes ―, que emula com sucesso o produto industrializado. Você vai precisar de:

― 200g de ricota;

― 1 colher (sopa) de manteiga;

― 2 colheres (sopa) de creme de leite);

― ½ chávena de leite quente;

― Sal a gosto.

Corte a ricota grosseiramente, coloque no liquidificador, junte os demais ingredientes e bata até obter uma massa cremosa (acerte o ponto de sal durante o processo, se necessário). Acondicione em potes esterilizados providos de tampa plástica (como os de maionese), feche bem e conserve na geladeira (por até 5 dias, recomenda a autora da receita, Luciana Carpinelli).    

Dica: Se você achar que a ricota está muito cara, na próxima dica a gente verá como preparar em casa esse tipo de “queijo fresco sem graça”).